Menu

quarta, 15 de agosto de 2018

Após 8 meses, família ainda aguarda restos mortais da jovem assassinada

14-junho-2018 Policial

A família da jovem Victória Albuquerque , morta no ano passado no município de Cajazeiras, no Sertão paraibano, a 490 quilômetros de João Pessoa, ainda não teve o direito de enterrar os restos mortais da garota. Victória desapareceu em julho e, no dia 15 de agosto, um agricultor encontrou os ossos que seriam da vítima. O material foi recolhido para perícia, mas nunca devolvido aos familiares, que lamentam não terem oportunidade de dar um enterro digno à jovem.

Em entrevista à imprensa, a mãe de Victória, Verônica Albuquerque, lamentou a demora nos trâmites legais e apelou para o apoio das autoridades, incluindo o governador Ricardo Coutinho (PSB).

“Já que ele decidiu ficar no governo, que ele olhe para o povo. E eu sou esse povo que colocou o senhor no poder. Então, eu tenho o direito de receber os restos mortais da minha filha. Eu faço esse apelo”, disse a mulher.

DNA inconclusivo

Ao Portal, o diretor-geral do Instituto de Perícia Científica (IPC), Israel Aureliano, afirmou que já foram feitos 12 exames de DNA a partir dos restos mortais da jovem e de material genético de familiares, mas todos os exames foram inconclusivos para determinar se os restos mortais são de Victória Albuquerque.

“Nossa dificuldade é que não ainda conseguimos estabelecer ligação genética de DNA entre os retos mortais e o material genético dos familiares. O exame pode dar três resultados: positivo, em caso de material genético sendo da jovem; negativo, caso o material não sendo dela; e inconclusivo, quando não conseguimos definir se o material é ou não dela. Até agora só obtivemos resultado inconclusivo”, disse Israel Aureliano.

Porém, um exame recentemente foi feito com os materiais genéticos disponíveis, mas o resultado pode não ter sido encaminhado para a Polícia Civil.

“Eu sei que tivemos um exame recente desse caso e que o laudo já havia sido dado. Mas, por conta do problema de fechamento do IPC não tenho como afirmar se esse exame foi entregue à Polícia Civil. Iremos entrar em contato com o delegado do caso para verificar a situação”, contou o diretor do IPC.

O Portal  tentou contato com o delegado seccional da Polícia Civil em Cajazeiras, Glauber Fontes, para saber se a delegacia já havia recebido o último exame, mas as ligações não foram atendidas.

O caso

Victória Albuquerque tinha 17 anos quando foi assassinada. Ela esteve desaparecida por cerca de 40 dias. Quando ossos foram encontrados próximo a um açude na Zona Rural de Cajazeiras, junto a peças de roupa e calçados, a mãe de Victória confirmou que aqueles eram os pertences da jovem.

Sertão da Paraíba 

Comentários

O utilizador reconhece e aceita que o PATOSMETROPOLE.COM.BR, apesar de atento ao conteúdo editorial deste espaço, não exerce nem pode exercer controle sobre todas as mensagens. O PATOSMETROPOLE não se responsabiliza pelo conteúdo de mensagens publicadas no mural ou comentários de postagens.

Notícias Relacionadas

Homem encapuzado e armado rouba estabelecimen...

Por volta das 16:20 horas desta segunda-feira (1...

Assaltantes rendem odontóloga ao sair da igr...

Uma odontóloga teve seu carro levado por ...

Motorista com sinais de embriaguez bate carro...

Um motorista causou um acidente na noite deste d...

Falta de ônibus escolar para estudantes do I...

Em uma operação conjunta, Polici...

Outras categorias