Menu

segunda, 24 de abril de 2017

TRE adia julgamento de AIJE que pede cassação de RC e Lígia; placar está 1 a 1

17-abril-2017 Política

O Tribunal Regional Eleitoral da Paraíba (TRE-PB) decidiu nesta segunda-feira (17) adiar o julgamento da Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) por abuso de poder econômico e político nas Eleições 2014 do governador Ricardo Coutinho (PSB) e da vice-governadora Lígia Feliciano (PDT). O TRE-PB determinou o adiamento após pedido de vistas da juíza Michele Jatobá, que terá 10 dias para analisar o processo e dar seu voto. Até o momento do pedido da magistrada, havia um empate em 1 a 1 na sessão. A Aije alega que a coligação do governador usou a Paraíba Previdência (PBPrev) realizando pagamento facilitado de benefícios que antes negava ou condicionava a uma normatização.

O julgamento começou com o relator do processo, o desembargador Romero Marcelo, lendo o parecer favorável a cassação dado pelo Ministério Público Eleitoral da Paraíba (MPE-PB).

Em seguida, o advogado Marcelo Weick, que fez parte da defesa do governador Ricardo Coutinho, alegou que ele não teve intenções eleitoreiras com a medida e que a quantidade de pessoas beneficiadas não poderia alterar o resultado das eleições.

Advogado da coligação ‘A Vontade do Povo’, Harrison Targino, afirmou que houve abuso de poder econômico e político do governador com a concessão dos benefícios, que terminaram por beneficiar Ricardo Coutinho no resultado da eleição. Ao fim da fala dos advogados, a presidente do TRE-PB, desembargadora Maria das Graças, concedeu pausa de cinco minutos.

Após pausa, a sessão foi retomada com a leitura de relatório do procurador regional eleitoral, Marcos Queiroga, que também pediu pela cassação do governador e da vice-governadora.

O procurador alegou que o relatório havia sido concluso pelo procurador anterior, mas que ele também identificou indícios de irregularidades praticados por Ricardo Coutinho e afirmou que a Procuradoria Geral do Estado pediu que a PBPrev suspendesse o pagamento dos benefícios por contas de irregularidades. Além disso, o procurador citou a celeridade dada pela PBPrev para a liberação dos benefícios.

“Em 36 meses (2011 a 2013) houve 68 pagamentos por empenho. Em 2014 foram 506 pagamentos por empenho em outubro e 760 em novembro. De novembro, quase todos referentes a procedimentos referidos em outubro. Com os fatos, não restam dúvidas da necessidade de cassação do governador e consequente perda de direitos políticos por oito anos”, afirmou o procurador.

Em seu voto, o relator Romero Marcelo disse que não há provas de pagamentos indevidos ou ilegais feitos através da Pbprev por Ricardo. "O conceito de abuso de poder é elástico e só o caso concreto para se averiguar", ponderou o magistrado.

Em seguida, o juiz Márcio Maranhão votou favorável ao pedido do MPE pela inelegibilidade de Ricardo Coutinho por oito anos, além dá cassação do mandato. "O abuso de poder caracteriza-se quando demonstrado que o ato da administração aparentemente teve como objetivo beneficiar candidato", disse.

O voto seguinte seria de Michele Jatobá. Com o pedido de vistas, os demais membros poderiam antecipar o voto, mas optaram por esperar o voto da magistrada.

A AIJE da Pbprev deve retornar à pauta de julgamento no TRE-PB no próximo dia 4 de maio.

Portal Correio

Comentários

O utilizador reconhece e aceita que o PATOSMETROPOLE.COM.BR, apesar de atento ao conteúdo editorial deste espaço, não exerce nem pode exercer controle sobre todas as mensagens. O PATOSMETROPOLE não se responsabiliza pelo conteúdo de mensagens publicadas no mural ou comentários de postagens.

Notícias Relacionadas

Romero e Lucélio Cartaxo se confraternizam e...

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, ...

Mais dois juízes votam pela rejeição de AI...

Um pedido de vista do juiz Emiliano Zapata ...

Quem não votou nas últimas eleições deve ...

Até o dia 2 de maio, o eleitor que n&atil...

Deputado paraibano sofre acidente na BR-230...

O deputado Bruno Cunha Lima (PSDB) levou um gran...

Outras categorias