Menu

terça, 23 de maio de 2017

Estudioso afirma que grandes açudes devem receber recarga significativa apenas em Março e Abril

27-novembro-2016 Rodrigo Cézar Limeira

Para o físico, meteorologista e mestre em Meteorologia Rodrigo Cézar Limeira, os grandes açudes que abastecem as cidades do Cariri, Sertão e Alto-sertão paraibano, devem receber recargas significativas apenas em Março e Abril.

De acordo com o estudioso, as chuvas que devem atingir o semiárido em Dezembro, Janeiro e Fevereiro, devem armazenar água de forma significativa apenas em barreiros. Com o cenário climático próximo da normalidade, afirma Rodrigo, Março e Abril serão os meses com chuvas mais intensas, e que devem oferecer maior recarga para os mananciais, pontua.

Segundo o estudioso, a La Niña muito fraca deve influenciar pouco na distribuição das chuvas nos próximos meses, conforme já afirmado, outra base utilizada pelo estudioso para realizar essa analise, baseia-se no fato de que as condições oceânicas deverão estar desfavoráveis no próximo trimestre, ou seja, é bem provável que o Atlântico Norte esteja mais quente que o Atlântico Sul na altura da costa do Nordeste, fato que também desfavorece elevados índices pluviométricos principalmente em Janeiro e Fevereiro.

O estudioso remonta a História: com La Niña intensa, e condições do Atlântico mais favoráveis em Janeiro e Fevereiro, açudes grandes receberiam mais água:

1985, 1986, 2001 e 2011 foram anos de La Niña intensa nos meses de Janeiro e Fevereiro, consequentemente as chuvas naqueles Janeiros e Fevereiros ocorreram em valores muito elevados, fato que produziu recarga significativa em vários açudes grandes que abastecem cidades do semiárido da Paraíba.

Para 2017, o físico e meteorologista Rodrigo Cézar Limeira afirma que temos a perspectiva de uma estação chuvosa próxima do normal, e que não é o ideal, já que dos cerca de 75 grandes açudes que abastecem as cidades do Cariri, Sertão e Alto-sertão do estado, cerca de 68 estão secos ou quase secos, fato que representa a pior crise hídrica da História do semiárido do estado.

O estudioso disse que o cenário de chuvas para próximo ano ainda pode mudar, mas que a realidade da transposição, que se arrasta desde 2006, é motivo de vergonha para o país, pois já deveria ter sido concluída.

O estudioso ainda prevê chuvas em Janeiro e Fevereiro nas quatro maiores cidades do semiárido do estado: Patos, Sousa, Cajazeiras e Pombal.

Rodrigo Cézar Limeira – www.cienciaemfoco.com  

 

 

Comentários

O utilizador reconhece e aceita que o PATOSMETROPOLE.COM.BR, apesar de atento ao conteúdo editorial deste espaço, não exerce nem pode exercer controle sobre todas as mensagens. O PATOSMETROPOLE não se responsabiliza pelo conteúdo de mensagens publicadas no mural ou comentários de postagens.