Banner Inecardio
grande relevância

Apenadas de presídio feminino de Patos serão beneficiadas com remição da pena por leitura de cordel

o Projeto ‘Abrindo a Mente para a Liberdade’ conta com a parceria do Juízo da Vara de Execução Penal (VEP) de Patos, da Direção do Presídio, da Promotoria da Vara de Execução Penal e Educação Prisional do Município

03/08/2019 10h42
Por: Ary Ramalho
Fonte: Por Fernando Patriota
19
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O Projeto ‘Abrindo a Mente para a Liberdade’, que objetiva a remição da pena por leitura de folhetos de cordel, será lançado na próxima quarta-feira (7), no Presídio Regional Feminino de Patos, com capacidade para 120 pessoas. A iniciativa pode beneficiar as 41 apenadas que cumprem pena naquela unidade prisional. A ação já funciona na Comarca de Pocinhos e atende a Recomendação nº 44/2013 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Durante o lançamento do Projeto, estão previstas apresentações com os autores dos cordéis.

Idealizado pela Defensoria Pública do Estado, o Projeto ‘Abrindo a Mente para a Liberdade’ conta com a parceria do Juízo da Vara de Execução Penal (VEP) de Patos, da Direção do Presídio, da Promotoria da Vara de Execução Penal e Educação Prisional do Município. Todas as mulheres que estão em regime de cumprimento de pena no Presídio e que tiverem interesse no Projeto podem participar.

O juiz titular da 2ª Vara Mista de Patos, Ramonilson Alves Gomes, informou que a ação partiu da Defensoria Pública e é de grande relevância para a sociedade. “A iniciativa veicula dois grandes objetivos. O primeiro deles é humanizar o cumprimento da pena, com uma leitura de perfil nordestino. O segundo aspecto positivo é o abatimento de uma parte da condenação, exatamente por essa instrução. Tenho a convicção que dará certo”, comentou o magistrado, que tem a competência de Execução Penal.

De acordo com o Projeto, a reeducanda tem um prazo de 21 a 30 dias para fazer a leitura de um cordel. Após esse período, é preciso ser feita uma resenha crítica sobre o material  lido. Uma comissão responsável, composta pela representante da Defensoria Pública e professores da rede estadual de ensino, faz uma avaliação da resenha. Se aprovada, o resultado será incluído no Sistema Eletrônico de Execução Penal Unificado (SEEU).

A defensora pública Mariane Fontinele explicou que após avaliação e a aprovação da resenha, a Defensoria Pública fará o pedido de revisão da pena, que será submetido a parecer do Ministério Público e, depois, encaminhado para a decisão do juiz da comarca. “O projeto em questão visa não apenas à redução da pena a cumprir, mas, também, à liberdade da mente nesse processo de leitura e de aprendizado. Além do mais, reforça a importância do gênero do cordel como forma de expressão cultural típica do Nordeste”, ressaltou Mariane.

Remição da pena – Conforme estabelece a Recomendação do CNJ, para cada 12 meses dedicados à leitura, a apenada pode remir 48 dias de sua pena. Para fins de remição pelo estudo (Lei nº 12.433/2011), são valoradas e consideradas as atividades de caráter complementar, assim entendidas aquelas que ampliam as possibilidades de educação nas prisões, tais como as de natureza cultural, esportiva, de capacitação profissional, de saúde, entre outras. Essas atividades precisam estar ao Projeto Político-Pedagógico (PPP) da unidade ou do sistema prisional local e precisam ser oferecidas por instituição devidamente autorizada ou conveniada com o Poder Público para esse fim.

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários