Banner Inecardio
ESCÂNDALO

Deputado pede exoneração de Euller: “Não tem imparcialidade para apurar o caso”

a prática da arapongagem, inclusive contra o secretário Jean Nunes (Segurança)

06/11/2019 15h17Atualizado há 2 semanas
Por: Ary Ramalho
Fonte: Helder Moura
19
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Há poucos dias, um episódio expôs as vísceras de uma mazela da administração girassol: a prática da arapongagem, inclusive contra o secretário Jean Nunes (Segurança). O caso ganhou intensa repercussão após a detenção de um policial do Serviço de Inteligência da Polícia Militar rondando o gabinete do secretário. O coronel Euller prometeu apurar as circunstâncias do delito.

Mas, para o deputado Cabo Gilberto “o comandante não tem qualquer isenção para apurar o episódio”. O parlamentar cobrou do governador João Azevedo que tome uma posição severa quanto ao flagrante de atividades suspeitas no gabinete da Secretaria de Segurança: “Isso é muito grave, pois se acontece até com o um secretário, imagine em relação a um cidadão comum.”

O Cabo comentou a aquisição ilegal de equipamento israelense que estariam sendo utilizado para arapongagem de autoridades policiais e afirmou que o “comando da PM não tem imparcialidade para investigar esse caso, até porque a pessoa flagrada em situação suspeita era membro da corporação”.

Segundo revelou o deputado, “nós já tínhamos conhecimento dessa prática e agora solicitamos que a Assembleia Legislativa cobre do Governo do Estado uma relatoria da segurança. O policial flagrado estava ali cumprindo ordens, em missão, quando foi pego”.

E arrematou de forma veemente: “Ou o governador exonera o comandante-geral ou assume que existe arapongagem no estado da Paraíba. Não podemos permitir que continue da forma como está.”

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários