Banner Inecardio
medidas

Creci-PB requer ao governo do estado reabertura de imobiliárias

As referidas medidas preveem, como forma de evitar aglomerações de pessoas, que as imobiliárias funcionem em escala de plantão, com no máximo cinco colaboradores por dia e no máximo dois profissionais nos plantões

03/05/2020 19h06
Por: Ary Ramalho
Fonte: Por Cândido Nóbrega
91
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O presidente do Creci-PB, Rômulo Soares, formalizou requerimento ao governador João Azevedo, que flexibilize o Decreto Estadual 40.167/2019, no sentido de que autorize o imediato funcionamento das empresas imobiliárias e dos estandes de vendas nas construções e empreendimentos imobiliários, respeitadas medidas preventivas ao contágio e propagação da Covid-19.

As referidas medidas preveem, como forma de evitar aglomerações de pessoas, que as imobiliárias funcionem em escala de plantão, com no máximo cinco colaboradores por dia e no máximo dois profissionais nos plantões.

A disponibilização nos ambientes de trabalho e nos plantões de álcool em gel onde não for possível ou não houver ambiente para lavar as mãos com água e sabão, bem como afixação em locais visíveis cartazes com instruções para o combate ao novo coronavírus.

Outras medidas

Outras medidas sugeridas são a realização de atendimentos com hora marcada, precedidos da devida higienização e arejamento de ambientes; proibição da presença nos locais de trabalho de colaboradores integrantes de grupos de risco; distanciamento mínimo de 1,5 m entre funcionários e clientes, além da disponibilização de máscaras de tecido para todos os funcionários e clientes que estejam no ambiente de trabalho.

Acolhido o pleito, o Creci-PB se comprometeu a informar à categoria a necessidade de adoção das referidas recomendações, como também fiscalizar o seu cumprimento, acionando, em sendo o caso, os meios legais para coibir eventuais práticas indevidas.

Fundamentos

O pedido foi fundamentado no expressivo abatimento causado pelos efeitos da pandemia da Covid-19 nas transações imobiliárias e consequentes dificuldades financeiras impostas aos corretores de imóveis e empresários do mercado imobiliário.

“Esses profissionais sobrevivem e custeiam suas despesas pessoais, familiares e profissionais, em sua maioria, exclusivamente com os rendimentos obtidos através das transações imobiliárias que realizam e nesse período atravessam um momento de angústia e instabilidade, sem nenhuma expectativa e previsão de um reaquecimento do mercado imobiliário”, fundamentou Rômulo Soares.

Na Paraíba, existem atualmente quase 10 mil corretores de imóveis e 865 empresas imobiliárias inscritas. Esses profissionais e empresas em atividade empregam diversos funcionários, estagiários, bem como fomentam a economia, através da cadeia produtiva da construção civil, do mercado imobiliário, dos cartórios e das demais corporações interligadas. Idêntico expediente está sendo encaminhado às prefeituras municipais, também subscrito pelo presidente do Sindimóveis-PB, Garibaldi Porto.