Banner Inecardio
mais um passo

APDP defende orçamento para a DPE durante audiência pública remota

Acompanhada do presidente Fábio Liberalino, ela propôs que a DPE tenha seu orçamento de 2015 restaurado, ou seja, que importe em no mínimo R$ 90 milhões, para que possa suportar qualquer contingenciamento que ocorra em 2020

23/05/2020 14h55
Por: Ary Ramalho
Fonte: Por Cândido Nóbrega
66
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A APDP deu mais um passo ontem em uma luta iniciada em 2013 pela recomposição do orçamento da DPE-PB. Foi através de exposição da advogada jurídica Ciane Feliciano na audiência pública realizada pela Comissão de Acompanhamento e Controle da Execução Orçamentária Assembleia Legislativa da Paraíba, que tem à frente o deputado Wilson Filho, aconteceu de forma remota e  contou com a participação do secretário estadual de Planejamento, Orçamento e Gestão, Gilmar Martins de Carvalho.

 

Acompanhada do presidente Fábio Liberalino, ela propôs que a DPE tenha seu orçamento de 2015 restaurado, ou seja, que importe em no mínimo R$ 90 milhões, para que possa suportar qualquer contingenciamento que ocorra em 2020. E externou sua preocupação com o fato de 2020 estar sendo um ano difícil e 2021 poder ser ainda mais, por ter  na própria lei diretriz as previsões de contingenciamento de orçamento.

 

“É essa a proposta da Associação Paraibana dos Defensores Públicos para o orçamento da Defensoria Pública em 2021, que a partir dos valores de 2015 - que são R$ 90 milhões - sejam corrigidos devidamente para 2021”, defendeu.

 

Histórico

 

Ciane iniciou sua fala lembrando do verdadeiro alijamento da progressão do orçamento que se deu em 2015. A LDO de 2014, que definiu as metas para o orçamento de 2015 determinou que fossem restaurados os percentuais em relação a receita corrente líquida.

 

À época, o percentual correspondente foi de 1.08% e a Defensoria Pública apresentou uma proposta orçamentária de R$ 90 milhões, da qual infelizmente só foram incorporados R$ 57 milhões, enquanto outros poderes depois de lutas jurídicas conseguiram recompor seus orçamentos.

 

Em 2014, Ciane citou como exemplos o orçamento do Poder Judiciário e o do Ministério Público, porque a eles estão atreladas as atribuições à DPE. O MP, que em 2014, tinha um orçamento de R$ 217 milhões, passou para  R$ 222 milhões em 2015 e no ano seguinte saltou para R$ 250 milhões.

 

O TJ, que em 2014 tinha um orçamento de R$ 645 milhões, no ano seguinte passou para R$ 745 milhões e em 2016 saltou para R$ 861 milhões. Atualmente, está previsto na lei orçamentária de 2020, para o TJ um orçamento de R$ 1.1 bilhão, e para o MP, de R$ 269 milhões.

 

Novo governo

 

“Enquanto isso, a DP executou o que tinha no orçamento em 2014:  R$ 72 milhões e agora em 2020 a está executando um orçamento de R$ 82 milhões porque, graças a Deus em 2019 o governo resolveu mudar a posição em relação à Instituição e estabeleceu mais um recurso na nossa meta”, acrescentou.

 

Por sua vez, o secretário estadual de Planejamento, Orçamento e Gestão, Gilmar Martins de Carvalho, renovou a intenção do governo em continuar avançando nesse processo. “Anotei a reivindicação e a levarei ao governador no momento da elaboração da peça orçamentária”, afirmou, solícito.